A) Crença em Deus

Os espíritas acreditam na existência de Deus, este princípio inclusive, está presente nas escrituras sagradas , no evangelho em Mateus, Cap. VI , vv. 09 a 13, no qual encontramos a oração do PAI NOSSO.

No Livro dos Espíritos, Os Espíritos definem Deus como a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas.

Como afirma Alan Kardec: “A prova da existência de Deus está no axioma: Não há efeito sem causa. Vemos incessantemente uma multidão inumerável de efeitos, cuja causa não está na Humanidade, uma vez que a Humanidade está impossibilitada de reproduzi-los, e mesmo de explicá-los: a causa está, pois, acima da Humanidade. É a essa causa que se chama Deus, Jeová, Alá, Brama, Fo-hi, Grande Espírito, etc., segundo as línguas, os tempos e os lugares. ”

Deus é maior que todas as teorias e todos os sistemas. É Soberano a tudo. É DEUS quem sustenta os homens, quem os inspira e os dirige.
A existência da Potência Suprema é afirmada por todos os Espíritos elevados.

Deus é a inteligência suprema e soberana, é único, eterno, imutável, imaterial, onipotente, soberanamente justo e bom, infinito em todas as perfeições.

E, não é dado ao homem sondar a natureza íntima de Deus.

Bibliografia de consultas
– O Livro dos Espíritos – Alan Kardec – Editora FEB 84ª edição.
– A Gênese – Alan Kardec – Editora FEB 38ª edição.
– O Grande Enigma – Léon Denis – Editora FEB 12ª edição.
– Bíblia Sagrada – Novo Testamento – Evangelho de Mateus.
– Obras Póstumas – Alan Kardec – Editora FEB

 

B) A Imortalidade da Alma e Comunicabilidade dos Espíritos

Os espíritas acreditam na imortalidade da alma ou espírito, este princípio , inclusive, está presente nas escrituras sagradas , quando no evangelho , em Mateus, Cap. XVII, vv. 01 a 13, os discípulos Pedro, Tiago e João, viram ,diante deles, Jesus transfigurado e também viram os espíritos de Moisés e Elias comunicando com Jesus.

No Livro dos Espíritos, Alan Kardec diz que :

“os próprios seres que se comunicam se designam a si mesmos pelos nomes de Espíritos ou Gênios, declarando, alguns, pelo menos, terem pertencido a homens que viveram na Terra. Eles compõem o mundo espiritual , como nós constituímos o mundo corporal durante a vida eterna”.
“O Espírito….. é um ser real, circunscrito, que, em certos casos, se torna apreciável pela vista, pelo ouvido e pelo tato”.

“As comunicações dos Espíritos com os homens são ocultas ou ostensivas. As ocultas se verificam pela influência boa ou má que exercem sobre nós, à nossa revelia. Cabe ao nosso juízo discernir as boas das más inspirações. As comunicações ostensivas se dão por meio da escrita, da palavra ou de outras manifestações materiais, quase sempre pelos médiuns que lhes servem de instrumento”.

Assim, a comunicação dos Espíritos com os homens não cessa, tendo atuação sobre as ações e pensamentos. Não sendo os Espíritos impedidos de comunicar com os homens.

Não havendo impedimento para a comunicação dos Espíritos com os homens precisa-se estar atento como podemos ver no Evangelho – João – Epístola 1ª – Capítulo 4 :
“Amados , não creiais em todo espírito, mas provai se os espíritos vêm de Deus, porque já muitos falsos profetas têm surgido no mundo./ Nisto conheceis o Espírito de Deus: Todo espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus, mas todo espírito que não confessa a Jesus não é de Deus”.

Bibliografia de consultas
– O Livro dos Espíritos – Alan Kardec – Editora FEB 84ª edição.
– Bíblia Sagrada – Novo Testamento – Evangelho de Mateus.
– Bíblia Sagrada – Novo Testamento – Evangelho Mateus – Epístolas de João.

 

C) Reencarnação

Os espíritas acreditam na reencarnação do Espírito , princípio que está presente nas escrituras sagradas , quando no evangelho, em Mateus, Cap. XVII, vv. 10 a 13 Jesus responde aos discípulos dizendo:
“Certamente Elias virá primeiro, e restaurará todas as coisas. / Mas digo-vos que Elias já veio, e não o conheceram, mas fizeram-lhe tudo o que quiseram. Assim farão eles também padecer o Filho do homem. / Então entenderam os discípulos que lhes falara a respeito de João Batista”

O Espírito está em evolução, em crescimento moral, e a reencarnação, que é o retorno do espírito à vida corporal, faz parte desta evolução espiritual dos homens e sua existência é importante na aplicação da Justiça Divina.

O Princípio da reencarnação é uma conseqüência necessária da lei do progresso.

Nas escrituras sagradas, em Mateus XIII vv. 4 a 9 – Parábola do Semeador – entendemos o crescimento e evolução espiritual porque passam os espíritos.

Esta evolução espiritual tem como destino DEUS, e nos dá diversas oportunidades de aprendermos e crescermos corrigindo os nossos erros. E assim, através da reencarnação, pode ser compreendida a causa dos sofrimentos dos homens, de suas dificuldades e a existência de desigualdades na Terra.

É com a reencarnação que se alcança o melhoramento progressivo da humanidade, e que os Espíritos se melhoram até a limpeza de suas impurezas. Esta limpeza que é chegar ao estado da perfeição , não acontece em única existência, por mais longa que esta seja, e por isto, a necessidade de novas reencarnações na Terra até que estas não sejam mais necessárias no momento que atingida esta perfeição.

É, portanto, na vida que encontramos uma escola para o aprendizado de docilidade, paciência, dever, e é , a vida, um meio de aperfeiçoamento moral. E são nas diversas existências que à custa do trabalho e do sofrimento, passo a passo , já conquistamos as qualidades que temos e que também conquistaremos o que nos falta.

As vidas são distintas e diferentes, mas solidárias entre si. Como na lei de causa e efeito, o futuro é a conseqüência do passado.

Como cita Léon Denis – “Cada um leva para a outra vida e traz, ao nascer, a semente do passado.”….”Há uma íntima correlação entre os nossos atos e o nosso destino”.

“Todos os Espíritos se tornarão perfeitos. Uns, alcançam mais ou menos rápido o estado de perfeição; outros, demoram mais a alcançar esse estado, mas, de qualquer forma, todos evoluem. Às vezes podem permanecer, por longo tempo, estacionários, mas não retrogradam.” – Victor Ribas Carneiro.

O Livro dos Espíritos faz bem a referência ao que seja a reencarnação. Na questão 166 – a alma que não alcançou a depuração durante a vida corpórea , sofre , o espírito, a prova de uma nova existência. E, na questão 166 B, “A alma passa então por muitas existências corporais? – “Sim, todos contamos muitas existências. Os que dizem o contrário pretendem manter-vos na ignorância em que eles próprios se encontram. Esse o desejo deles.”

Na reencarnação há o esquecimento das vidas precedentes, pelo estado latente das faculdades do espírito ao nascer na nova encarnação.

De acordo com Léon Denis: “A lei dos renascimentos explica e completa o princípio da imortalidade”.

Bibliografia de consultas
– O Livro dos Espíritos – Alan Kardec – Editora FEB 84ª edição.
– A Gênese – Alan Kardec – Editora FEB 38ª edição.
– O Porquê da Vida – Léon Denis – Editora FEB 20ª edição.
– O Problema do Ser, do Destino e da Dor – Léon Denis – Editora FEB 26ª edição
– Obras Póstumas – Alan Kardec – Editora FEB
– ABC do Espiritismo – Victor Ribas Carneiro – Editora FEB – 1996
– Bíblia Sagrada – Novo Testamento – Evangelho de Mateus.

 

D) Pluralidade dos Mundos Habitados

Os Espíritas acreditam que o planeta Terra é apenas um dos planetas que habitados no Universo, não sendo , portanto , o único.

No evangelho, em João, Cap. XIV, vv. 1 a 4 , ”
….Na casa de meu Pai há muitas moradas….”

Nas reencarnações , um mesmo Espírito permanece no mesmo mundo até que haja adquirido a soma de conhecimentos e o grau de perfeição que esse mundo comporta. Assim , os Espíritos deixam aquele do qual nada mais podem auferir por um mundo mais adiantado.

Não é apenas na Terra que encarnamos, podemos encarnar em vários mundos, conforme a necessidade do crescimento espiritual, no entanto, a Terra é um dos mais materiais e inferiores. Muito embora, possamos ter vivido em outros mundos, podemos voltar a um outro mundo de natureza inferior em caráter de missão, e neste caso estará havendo progresso como se em qualquer outro planeta.

Deus ao criar os mundos , não o fez na intenção de adornar o espaço, mas sim para servir de moradas aos Espíritos que passam por eles, seguindo na sua trajetória de evolução.

Os mundos , à medida que alcançam condições favoráveis à vida, ela surge. Assim, também os mundos existem em seu grau de evolução, havendo, portanto, mundos inferiores e mundos superiores à Terra.

E nesta trajetória para alcançar a perfeição e a Felicidade, não é necessário que o Espírito tenha que reencarnar em todos os mundos, pois há mundos correspondentes a cada grau de uma mesma escala e nada de novo seria acrescentado ao aprendizado dos Espíritos. Como mostrado no princípio da reencarnação, a pluralidade de existências do Espírito em um mesmo globo tem o objetivo de que seja atingido novo estágio evolutivo superior ao anterior.

A Constituição Física dos Mundos não é a mesma e os Seres que os habitam possuem organismos adequados ao ambiente de cada mundo.

Ainda, os Espíritos que habitam os mundos são de diversas categorias, do mesmo modo como o é aqui na Terra.

No Livro dos Espíritos esta questão da pluralidade de mundos encontramos nos quesitos 172 a 188.

Bibliografia de consultas
– O Livro dos Espíritos – Alan Kardec – Editora FEB 84ª edição.
– A Gênese – Alan Kardec – Editora FEB 38ª edição.
– ABC do Espiritismo – Victor Ribas Carneiro – Editora FEB – 1996
– Bíblia Sagrada – Novo Testamento – Evangelho de Mateus.